PEREGRINOS

Não há minuto

sem pensamento,

Nem caminho

Sem resposta.

Menos dinheiro

que apazigue

todas as guerras.

Todos sonham.

Desconhecem, porém,

as origens de suas ilusões;

a carne envelhece

sem que saibam.

Haverá sábio

que possa explicar?

As coisas findam.

Ideias se inventam,

tornam-se eternas

como erros

transformados:

acertos.

Aceitos consensualmente;

tradições que se cumprem

religiosamente.

Maomé subiu a montanha.

Abraão não sacrificou Isaac.

Jesus anunciou a boa-nova.

Buda meditou.

José trabalhava dezesseis horas por dia.

Não recebia hora extra. Tinha um banco de horas. Folga?

Sabe-se lá, quando…

Na última sexta-feira, o ônibus não passou no horário previsto.

Chegou atrasado.

Foi demitido.

A empresa alegou redução de custos com diminuição do quadro de empregados.

No dia seguinte, o patrão comprou um helicóptero e uma casa em Angra.

José não pagou o aluguel da casa onde morava.

Meses depois, o despejo.

Juntou coisas, mulher e filhos.

Peregrinou para a casa dos sogros.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s