Histórias de futebol de rua – parte 1

Sábado. Nove horas. Manhã silenciosa. Alguém no portão chama. Da janela enxergo meia dúzia de moleques. Estão apreensivos. Jumba carrega a bola. O outro time nos espera no terreno atrás da fabriquinha. Clássico do bairro, o jogo promete. É a nega, revanche que promete nos redimir da última humilhação na casa do adversário. Eu deveria estudar para a prova de segunda. Não posso.  Peleja de vida ou morte. Calcei o kichute. O time dos caras é muito bom. Entrosado. Treinam na quadra do condomínio onde moram.  Jogam juntos desde a pré-escola. Nosso time é um arremedo de matusquelas da vilinha. Jogamos na rua. Campo riscado no asfalto. Mas, temos Binha e Kalil. Dupla de ataque endiabrada. O primeiro é tímido burocrático, cerebral, enfático e pontual. O outro… Malandro, desaforado, provocador, vibrante. A primeira impressão não fica. A primeira troca de passes dos dois é tira-gosto.  O jogo seguirá desabalado. 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s