Negão

Cresceu no balaio de gatunos que era sua numerosa família, clã de desvairados, protegido pelo zelo espartano de vó Donata, a matriarca quituteira que jogava capoeira já sexagenária no extenso quintal da velha casa com todos os filhos e netos. Negão vara pau desde sempre. Porém, o mais bonito. O olhar pura cor enfeitiçava as tias, primas, irmãs e toda variedade de agregações e possíveis parentescos. Menino observador acompanhava, desde cedo, o tio mais moço, Dário, o Dadá Pinel, em tardes de boteco, jogando porrinha, sinuca e carteado. Preto desconfiado, os olhos verdes azulavam em tons escuros, feito tempestade misteriosa, assim que enervava. E idolatrava a mãe, Inacinha, mulata atentada, estonteante, mãe de filho único, o escurinho mimado que mamou no peito até os quatro anos.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s