Dezembro

Por todos e tantos motivos, você. Tive um dia feliz. Lembrei-me do seu nascimento. Por quê? A caminho da casa dos meninos esquecidos, um projeto de vida acenava. A hipnose involuntária oferecida pela paisagem: araucárias, árvores tão estranhas quanto belas. A compreensão da beleza, aliás, teve início para mim ali, durante o trajeto. O pedaço de estrada desejava principiar uma explicação. Você cresceu. Sua presença me torna tão pequeno. Um estranho, eu me senti, enquanto sua mãe sentia as dores do parto. Você chegava. A bandeira branca, a esperança. O silêncio para minhas retaliações. Tão pouco e tudo. Você me ensinando que todos os dias são de transformação. As dores não andam desacompanhadas de um pouco de alegria. A coragem triunfa por alguns instantes e me vejo obrigado a reconhecer meus passos em terras pantanosas. Então, o sorriso se alarga e enxergo-me vivo no retrovisor do carro. O destino insiste e finalmente acontece. “Seu ofício é ensinar”. E os garotos, abandonados à própria sorte esperam agitados, em roda, meu abraço amigo, minha escuta atenta, meus movimentos bailados – um professor esquisito, diferente, alegre. E cada um seguirá o seu caminho e carregará consigo as dúvidas e certezas que deixei. Nunca esquecerão as agressões, as humilhações, o terror da vida que o mundo monstro lhes ofereceu. Doenças sociais. Mas agora estão bem. Falávamos sobre beleza. Quem sabe o que é belo? Direi que poucos o sabem. Cresci para não saber. Porém, minha inaptidão para aceitar a imposição de padrões alheios me fez voar. Minhas viagens pela alma humana, a maior de todas as ilhas, permitiram que eu enxergasse o belo, sem rótulos, marcas, selos, certificados e cifrões. O perdão, a beleza e o despojamento, valores incompreensíveis para nossa sociedade doente. Quando reconheci a verdadeira beleza eu me perdoei e despojado de juízos e descalço de minhas frágeis opiniões, pisei o solo sagrado da simplicidade. Toda amizade é uma lembrança que move a luta por tudo aquilo em que se acredita. Resquícios da viagem. Os meninos jamais serão esquecidos enquanto existirem viajantes. Estamos sempre sós na estrada, transitando com nossas ideias nas costas. Buscando encontros. E você, que será sempre meu filho, não importam as escolhas e descobertas de nossas vidas, terá sempre aquele afago em seus cabelos, enquanto dorme e sonha novos dias.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s