Demasiado nervosismo… Rubras vibrantes, viscosas, brilhavam com a luz que atravessara a janela pelos pequenos furos na cortina. As gotas. Enfeitavam o caminho entre a sala, a cozinha e o banheiro. Um impulso… Poucos segundos…  Quais seriam as palavras apropriadas? Apenas adjetivos roucos, grotescos, apavorantes. Dizeres que filhos não costumam proferir a seus pais. O sangue vivo de uma existência morta. Seu nome era Cão. Assim o conheciam. Só quem foi ao batizado, sabia o verdadeiro. Não abanava o rabo. Era orgulhoso. Fazia o corre, andava pelo certo. Naquele dia, foi diferente. Caminhou em direção ao banheiro. Lavou a faca sob a torrente fria do chuveiro. Fez uma oração…
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s